CIM Tâmega e Sousa descontente com cobertura das telecomunicações na região

[smartslider3 slider=63]

A Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) foi esta manhã de terça-feira à sede da CIM do Tâmega e Sousa explicar o processo de migração da rede de emissores da rede de Televisão Digital Terrestre (TDT), necessário para a implementação do 5G.  Aproveitando a presença do presidente da ANACOM, João Cadete de Matos, e do diretor da delegação do Porto da ANACOM, Luís Roque, os autarcas do da CIM manifestaram o seu descontentamento com a cobertura em geral das telecomunicações na região do Tâmega e Sousa, “muito deficitária sobretudo nas zonas mais rurais e de menor densidade populacional”.

Sublinharam a deficiente cobertura de banda larga (fibra ótica), tanto móvel como fixa, e a dificuldade de acesso à rede móvel para a realização de chamadas por telemóvel, problema que ainda persiste em muitos concelhos e freguesias considerados de interior, bem como a desorganização existente ao nível das infraestruturas aéreas e subterrâneas de telecomunicações.

Para os autarcas, a resolução destes problemas afigura-se “essencial no atual contexto de pandemia, que tem obrigado a adaptações no emprego e na educação, mas também ao nível das empresas e dos negócios, mas sobretudo para o desenvolvimento económico e social e, consequentemente, para a promoção da coesão territorial”.

A ANACOM segundo fonte da CIM, “assumiu o seu compromisso na resolução dos problemas identificados”, tendo referido o roaming nacional e a partilha de infraestruturas como forma de ajudar a melhorar a cobertura das zonas mais deficitárias, com um menor esforço de investimento. Recordou ainda as obrigações de cobertura de banda larga móvel impostas por ocasião do Leilão Multifaixa e da renovação dos direitos de utilização de frequências dos 2100 MHz. O objetivo é que, em 2023, 75% das freguesias de baixa densidade tenham cobertura de rede de banda larga móvel e que, em 2025, essa taxa seja de 90%.

Migração TDT

O processo de migração da rede de emissores da rede de Televisão Digital nos concelhos da CIM do Tâmega e Sousa tem início no dia 28 deste mês, com a ressintonia do emissor de Rio Arda, que terá impacto, nesse dia, nos concelhos de Amarante, Castelo de Paiva, Cinfães, Marco de Canaveses e Penafiel.

A migração decorrerá durante um período de pouco mais de um mês.

As pessoas saberão que são abrangidas por este processo se ficarem com o seu ecrã sem imagem (ecrã negro).

Para ajudar a população neste processo, de modo a minimizar o impacto desta migração, para continuar a garantir o serviço de televisão gratuita  evitar possíveis burlas, a ANACOM  criou uma linha telefónica de apoio gratuita (800 102 002), que funciona todos os dias, entre 9h00 e as 22h00, para dar informação e ajudar a fazer a sintonia dos televisores à distância.

Caso as pessoas não consigam fazer a sintonia com o auxílio dos operadores da linha telefónica, nem com o auxílio de técnicos da ANACOM, que formarão, por assim dizer, uma segunda linha de apoio mais técnico, está então prevista a possibilidade de as equipas da ANACOM no terreno se deslocarem à residência destas pessoas, que precisam de um apoio mais direto, para procederem à ressintonia dos receptores.

O calendário de ressintonia dos emissores que afetam os concelhos da CIM do Tâmega e Sousa é o seguinte:

Local Canal atual Canal futuro Data de migração
Rio Arda 56 36 28/09/2020
Resende 56 36 30/09/2020
Amarante 56 36 14/10/2020
Avessadas 56 36 15/10/2020
Baião 56 36 16/10/2020
Penafiel 56 36 16/10/2020
Celorico de Basto 56 36 19/10/2020
Caldas de Vizela 56 36 02/11/2020

 

António Orlando

Next Post

Vila Meã – Detido por tráfico de estupefacientes

Qua Set 23 , 2020
Share on Facebook Tweet it Pin […]
Instagram did not return a 200.

Sobre Nós

Tamega.TV

O Tâmega.tv é uma publicação online diária de informação geral que pretende dar, através dos meios de difusão multimédia, uma ampla cobertura dos mais relevantes e significativos acontecimentos da região do Baixo Tâmega, em todos os domínios de interesse, sem descurar o panorama regional e nacional, assegurando a todos o direito à informação.