Teatro Montemuro faz subir ao palco da região “Seis Conselhos para um Rio”

CULTURA. Projeto envolve a participação de atores de seis concelhos, que antes não se conheciam  e que agora estão a trabalhar em conjunto, em partilha de experiências. Hoje, sábado, o espetáculo realiza-se em Amarante, no Centro Cultural Maria Amélia Laranjeira. Amanhã à tarde, o Emergente Centro Cultural do Marco de Canaveses recebe a representação da peça “Seis Conselhos para um Rio”

O Teatro de Montemuro está de regresso à Rota do Românico. Desta vez, sob o mote Seis Conselhos para um Rio, atores profissionais e amadores viajarão pelo património imaterial de seis municípios da Rota do Românico, nos dois primeiros fins de semana de junho. 

Seis Conselhos para um Rio”  conta a história de um viajante que percorre o Rio Douro e vai desvendando as suas histórias e lendas, numa encomenda da Rota do Românico enquadrada na operação EEC PROVERE Turismo para Todos: Valorização, dinamização e promoção turística da região, cofinanciada pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Nós recebemos um convite da Rota do Românico para apresentarmos um projeto que envolvesse seis municípios e lembramo-nos que o rio Douro envolve estes mesmos concelhos. Das pesquisas que fizemos acerca de cada um deles, fomos encontrando várias lendas, que consideramos  interessante divulgar.

Paulo Duarte, encenador do Teatro do Montemuro

A interpretação de “Seis Conselhos para um Rio” está a cargo dos atores Adolfo Campos, António Magalhães, Daniel Figueiredo, Eduardo Correia, Francisco Magalhães, Jorge Pereira e Pereira da Silva.

A entrada é gratuita, condicionada à lotação dos espaços.

Agenda | Junho

– 04, sexta-feira, 21h, Auditório Municipal, Cinfães

– 05, sábado, 21h, Centro Cultural Maria Amélia Laranjeira, Amarante

– 06, domingo, 16h, Emergente Centro Cultural, Marco de Canaveses

Não se efetuam reservas. Os bilhetes devem ser levantados no Emergente: 9h30-12h30 e 14h-18h.

– 11, sexta-feira, 21h, Auditório Municipal, Resende

– 12, sábado, 21h, Casa de Chavães, Baião

Reserva de lugares: Tel. 965 279 709.

– 13, domingo, 16h, Auditório Municipal, Castelo de Paiva

Os bilhetes devem ser levantados na Loja Interativa de Turismo: segunda a sábado, 9h30-12h30 e 14h-18h; domingos e feriados, 10h-12h e 15h-18h.

  • Sinopse

E mais a mais, cada um faz o que quer com as histórias que aprende.”

A primeira coisa que se tem que fazer para contar uma história é ouvir. Depois decidir se se a reconta ou não. Se se decidir recontar pode-se pensar o que se vai mudar e o que se vai passar para o próximo ouvinte. Ou, então, deixar o mecanismo da memória seletiva escolher os factos que nos tocaram e merecem ser recontados e quais os que devemos atualizar ou personalizar.

E é à soma de todas essas histórias e das suas adaptações que se chama a memória coletiva. A tradição oral vai mantendo a sua importância inalterada porque se vai alterando com o tempo.

“Quem conta um conto acrescenta um ponto. Se você levar a história escrita fixa-a para sempre. Até parece que a história morre. As histórias querem-se livres, a mudar todos os dias. A crescerem e a adaptarem-se aos dias que passam.”

E as histórias nascem num lugar. Podem renascer noutro, mas já são novas histórias, apesar de serem iguais a outras. O Douro tem o seu próprio imaginário. Deverá haver centenas de penedos de cornudos espalhados pelo mundo, mas o penedo da serra da Aboboreira é especial porque soubemos trazer a sua lenda até aos dias de hoje. E se alguma coisa esta história prova é que há coisas que não mudam. Quem tem tempo livre inventa histórias. Transforma em narrativas as suas angústias. Serei cornudo ou não serei? Vou perguntar à pedra.

“Eu vou-lhe explicar como a coisa funciona. Você vai lá e atira uma pedra para cima do penedo, se ela ficar lá em cima equilibrada é porque a sua mulher sempre lhe foi fiel. Se a pedra cair ao chão, prontos, tem um par de cornos, mas prontos são os cornos pequeninos que sua mulher só o traiu uma vez. Deve ter sido por curiosidade. E nesse caso você só tem uma solução, pega na pedra e atira outra vez. Se ficar em cima é porque foi mesmo por curiosidade, se voltar a cair foi porque a primeira traição correu bem e ela quis mais. E é assim enquanto a pedra cair você vai contando as vezes que ela o traiu. Só para quando a pedra ficar lá em cima ou então quando se cansar. Percebeu? Mas, também lhe digo uma coisa: no penedo de Travanca há mais pedrinhas no chão, que as que ele carrega nas costas.”

António Orlando

Next Post

Incêndio de grandes dimensões lavra em eucaliptal de Celorico de Basto

Sáb Jun 5 , 2021
Share on Facebook Tweet it Pin […]

Sobre Nós

Tamega.TV

O Tâmega.tv é uma publicação online diária de informação geral que pretende dar, através dos meios de difusão multimédia, uma ampla cobertura dos mais relevantes e significativos acontecimentos da região do Baixo Tâmega, em todos os domínios de interesse, sem descurar o panorama regional e nacional, assegurando a todos o direito à informação.