Pedro Nuno Santos “arrolado” para a disputa da presidência da Câmara do Marco de Canaveses 

AUTÁRQUICAS´21. Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação passou a ser figura principal na campanha eleitoral autárquica no Marco de Canaveses. O facto do governante aparecer retratado ao lado da presidente da Câmara local, na 1ª página da revista municipal “ O Meu Marco”  já levou a uma troca de comunicados entre a candidatura do PSD/CDS, liderada por Maria Amélia Ferreira, e a Câmara socialista liderada pela recandidata socialista, Cristina Vieira

Sob o título “Carta aberta a Pedro Nuno Santos, a coligação de direita questiona o ministro “se participou voluntáriamente em violação da lei eleitoral no Marco de Canaveses, na despudorada e ilegal vergonha que representou a publicação de uma revista municipal, contendo pura propaganda eleitoral da candidata do PS, às custas de dinheiros públicos”.

Lembrando a proibição de propaganda institucional e publicação de revistas municipais durante o período eleitoral autárquico, a coligaçação de direita denuncia que a  “câmara do Marco iniciou esta semana o envio de uma publicação de vergonha para o concelho. A revista, paga com o dinheiro dos impostos e do esforço dos munícipes, conta com uma primeira página de propaganda eleitoral e uma foto que a ocupa na totalidade da capa da revista, mostrando Cristina Vieira, a candidata do PS, ao lado do Ministro Pedro Nuno Santos, prometendo “financiamento garantido” para a habitação.  “Além do insulto à inteligência dos marcuenses e da ilegalidade, podem configurar um crime”, pode ler-se na carta aberta.

A foto de Pedro Nuno Santos retrata uma recente visita que o governante fez ao concelho para dar luz verde ao financiamento da estratégia local de habitação.

“A Câmara do Marco de Canaveses, desde que o PS e Cristina Vieira estão no poder construiu zero casas, adquiriu zero casas, colocou no mercado a renda acessível zero casas e, em 2018, quando o Governo pediu que os Municípios fizessem o levantamento das famílias carenciadas de habitação, apresentou ao Ministro Pedro Nuno Santos zero páginas de estudo e zero famílias necessitadas. Mas vem agora, com a participação de um membro do Governo, proibida por Lei, prometer o que nunca fez”, pode ler-se.

Em resposta, a Câmara Municipal emitiu também um comunicado considerando que as acusações dos partidos da coligação PSD/CDS “não são mais que um instrumento de uma campanha vazia de propostas e ideias, baseada em meras tentativas de denegrir o trabalho do atual Executivo Municipal ”.

Lembrando que “comunicar bem não é defeito, é virtude, é democracia, e os marcuenses sabem e reconhecem isso”, a câmara “socialista” precisa que a revista “O Meu Marco” tem desde dezembro de 2018 periodicidade quadrimestral “e, esta edição cumpre com o compromisso assumido com os Munícipes e fornecedores”.  “Como facilmente se constata, o conteúdo da revista incide, sobretudo, em informação de investimento, realizado e a realizar”, nas diferentes áreas de atuação do município, “assim”, acrescenta a fonte, “os munícipes – concordando ou não com as opções, considerando se foi suficiente ou se poderia ter sido feito mais – sabem o que a Câmara Municipal fez e podem avaliar, de forma informada e esclarecida, acerca da gestão dos dinheiros públicos”, justifica. 

António Orlando

Next Post

Transporte público rodoviário do Tâmega e Sousa passa a ter assinatura combinada com o Andante

Qui Set 2 , 2021
Share on Facebook Tweet it Pin […]

Sobre Nós

Tamega.TV

O Tâmega.tv é uma publicação online diária de informação geral que pretende dar, através dos meios de difusão multimédia, uma ampla cobertura dos mais relevantes e significativos acontecimentos da região do Baixo Tâmega, em todos os domínios de interesse, sem descurar o panorama regional e nacional, assegurando a todos o direito à informação.