IP autorizada a realizar a despesa do primeiro troço do IC35

REGIÃO. A construção desta via rápida é do interesse, sobretudo, das populações dos concelhos de Penafiel, Marco de Canaveses, Castelo de Paiva e Cinfães

Foi hoje assinada, pelo Ministro das Infraestruturas e da Habitação, a Portaria que autoriza as Infraestruturas de Portugal a realizar a despesa do primeiro troço do IC35 que ligará Penafiel ao Nó de Rans, num valor inicial de 5 478 421,04€.

A decisão motivou a câmara de Penafiel a emitir um comunicado onde diz estranhar que “uma obra adjudicada em Janeiro de 2020 seja agora alvo de uma portaria, onde na verdade, mais de 92% do custo da obra são “atirados” para 2023.Dos 5,5 milhões de euros previstos para o troço de Rans-Penafiel, mais de 5 milhões de euros estão previstos serem gastos apenas daqui a 2 anos.

“A portaria publicada hoje, ou qualquer novidade sobre o IC 35, são para a Câmara Municipal sempre boas notícias, ou não tivesse sido a Câmara Municipal de Penafiel e o seu Presidente, Antonino de Sousa, das vozes mais ativas em prol da defesa da construção do IC 35”, pode ler-se no comunicado.

O Município de Penafiel deseja profundamente, que a portaria publicada hoje, a 17 dias das eleições autárquicas, não seja uma repetição do que aconteceu em 2009, quando também em vésperas de eleições autárquicas o então Ministro das Finanças do PS, Teixeira dos Santos,  prometeu que a obra seria lançada nesse mesmo ano. Entretanto já passaram 12 anos sobre essa promessa em “período eleitoral”, acrescenta a fonte.

Recorde-se que o IC 35, que serviria de alternativa à EN 106 entre Penafiel e Entre-Os-Rios, é um troço de apenas 12 km por onde passam mais de 15.000 veículos/dia, dos quais uma grande parte são camiões que transportam pedra para exportação, chegando a criar intensas filas de trânsito e uma sinistralidade sem precedentes: só entre 2006 e 2017 registaram-se cerca de 500 acidentes e mais de 710 vítimas, entre feridos ligeiros, graves e mortos, de acordo com a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

A maior parte do traçado da EN 106 não possuiu passeios e, onde existem, são estreitos ou sem continuidade.

Cronologia IC 35:

  • Em 2001, ano da queda da ponte de Entre-Os-Rios, todos os partidos, na Assembleia da República, consideram prioritária a construção do IC35, que se concretizará até 2008.
  • Em 2009, o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, promete que o concurso para a obra do IC35 seria lançado até ao final do ano.
  • Em 2010, o ministro das Obras Públicas, António Mendonça, suspende tudo.
  • Em 2011, CM Penafiel lança petição para a urgente construção do IC35.
  • Em 2012, CM Penafiel entrega petição na Assembleia da República.
  • Em 2014, o IC35 entra no Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas 2014-2020 (PETI3+) e o Primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirma publicamente que o troço Penafiel-Rans do IC35 vai começar em 2015.
  • Em 2015, é aberto o concurso para a empreitada entre Penafiel-Rans do IC35.
  • Em 2016, a estrada é novamente suspendida, pelo governo de António Costa, com a adjudicação a ser atirada para 2017.
  • Em 2018, a Assembleia da República aprova projeto de resolução do PSD que pede construção imediata do IC35 entre Penafiel e Entre-Os-Rios.
  • Em Fevereiro de 2019, a população enche de cruzes a estrada nacional 106.
  • Em 2019, o Governo inclui a obra do IC35 no Plano Nacional de Investimentos 20130 (PNI2030).
  • Em Maio de 2019, novo ministro do Planeamento reúne com Presidente da CIM-TS, Armando Mourisco e Presidente de Penafiel Antonino de Sousa.
  • Em Janeiro de 2020, é adjudicada a primeira fase da obra do IC-35.
  • Em Setembro de 2021, é publicada uma portaria que define o investimento de 418.730€ em 2022 (próximo ano) e de 5 milhões apenas em 2023.

António Orlando

Next Post

Camilo Nogueira é o novo provedor do deficiente

Ter Set 7 , 2021
Share on Facebook Tweet it Pin […]

Sobre Nós

Tamega.TV

O Tâmega.tv é uma publicação online diária de informação geral que pretende dar, através dos meios de difusão multimédia, uma ampla cobertura dos mais relevantes e significativos acontecimentos da região do Baixo Tâmega, em todos os domínios de interesse, sem descurar o panorama regional e nacional, assegurando a todos o direito à informação.