Tâmega e Sousa resgata Príncipe D. Afonso Henriques

TERRITÓRIO. Tâmega e Sousa também levanta a espada de D. Afonso Henriques

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Tâmega e Sousa, passou a designar-se de Douro, Tâmega e Sousa e, como  imagem promocional, usa uma imagem de Afonso Henriques e dos seus instrumentos de guerra.

Isto é, o logotipo é composto por um escudo com 11 pontos brancos representativos dos 11 concelhos da região, uma espada e um soldado, no caso Afonso Henriques que antes de ser rei foi príncipe, em Riba Douro… A cor usada é o verde, em alusão ao verde da paisagem e do vinho.

  “Não queremos bater de frente com Guimarães mas, se em Guimarães aconteceu, foi em Riba Douro que o Príncipe Afonso Henriques cresceu”, justificou fonte da empresa responsável pelo plano de branding encomendado pela CIM Douro e Tâmega.

A fonte explica que a ideia era encontrar um elo comum aos 11 municípios. A escavação arqueológica do tempo levou os especialistas em comunicação à pré-fundação da nacionalidade. Foi um recuo de 900 anos até ao Príncipe Afonso Henriques, criado pelo aio dos Riba Douro, Egas Moniz.

Pedro Machado, presidente da CIM, nega a existência de qualquer provocação a Guimarães. “O que nós queremos é que as pessoas passem a conhecer uma parte da história que não está devidamente conhecida. Efetivamente este território teve um papel preponderante na pré-fundação da nossa nacionalidade e é só isso que queremos evidenciar. Não é nenhuma colagem a outra marca, é a nossa identidade e isso ninguém nos pode tirar”, justificou o autarca.

António Orlando

Next Post

“Pedro, tu estás aí, a ouvir-nos, um grande, grande, grande abraço”, disse, emocionada, Ana Abrunhosa em Cinfães

Sex Jul 1 , 2022
Share on Facebook Tweet it Pin […]

Sobre Nós

Tamega.TV

O Tâmega.tv é uma publicação online diária de informação geral que pretende dar, através dos meios de difusão multimédia, uma ampla cobertura dos mais relevantes e significativos acontecimentos da região do Baixo Tâmega, em todos os domínios de interesse, sem descurar o panorama regional e nacional, assegurando a todos o direito à informação.