O AVC na idade pediátrica, opinião


Opinião – Rita Lopes da Silva, Neuropediatra – CNS – Campus Neurológico

O AVC na idade pediátrica (desde o final do 1º mês de vida até aos 18 anos) tem uma incidência mais reduzida que no adulto e ocorrem 1.2 a 13 AVCs por cada 100 000 crianças/ adolescentes em cada ano.


O AVC pode ocorrer ainda mais precocemente, durante a gravidez ou após o nascimento, sendo mais
frequente no primeiro mês de vida.

Tal como no adulto existem dois tipos de AVC, o isquémico e o hemorrágico. Na idade pediátrica as causas do AVC isquémico são diferentes do adulto e cerca de metade das crianças tem uma doença já conhecida.

As causas mais frequentes são doenças da parede das artérias devidas a infeções, inflamações, doenças
genéticas ou metabólicas, doenças cardíacas e doenças do sangue (hematológicas) como a doenças de
células falciformes.

A apresentação clínica mais frequente é a hemiparésia (falta de força em metade do corpo), porém podese apresentar como uma assimetria motora dos membros detetada pelos familiares ou profissionais de saúde nos primeiros meses de vida. Outras manifestações podem ser crises epiléticas, alterações da
consciência, cefaleia intensa, vómitos, alterações visuais, assimetria facial, desequilíbrio da marcha ou
alteração da linguagem. À semelhança do que ocorre nos adultos, perante o aparecimento súbito de
algum dos 3Fs (dificuldade em Falar, alteração na Face ou falta de Força no braço/perna), deve ser
considerada a hipótese de AVC e ao ligar para o 112 é ativada a Via Verde. Desta forma permite-se o
acesso mais rápido a tratamentos em fase aguda que minimizam o sofrimento cerebral e melhoram o
prognóstico. A nível mundial ainda existe um atraso significativo entre o início do AVC pediátrico e o seu
diagnóstico, devido ao não reconhecimento das manifestações iniciais pela família e profissionais de
saúde, e/ou estas serem atribuídas a outras doenças mais frequentes nesta idade (enxaqueca, epilepsia
ou infeções).

As crianças e adolescentes apresentam geralmente uma recuperação melhor e mais rápida devido à
plasticidade cerebral, contudo, a mortalidade pode ocorrer em 10-25%, e as sequelas motoras, cognitivas
(dificuldades de aprendizagem), comportamentais e emocionais estão presentes em 40 a 60% dos
doentes.

Na equipa multidisciplinar que cuida destes doentes, para além da Neurologia, a Reabilitação
desempenha um papel crucial, desde a fase aguda após estabilização clínica até ao tratamento das
sequelas neurológicas que comprometem a vida quotidiana. Os médicos fisiatras, fisioterapeutas,
terapeutas ocupacionais, terapeutas da fala e psicólogos em conjunto com a criança/adolescente e família elaboram um plano de reabilitação personalizado face aos défices neurológicos, idade, horário de estudo e tempo de lazer. Sempre que possível é promovida a capacitação dos pais e cuidadores e como principais objetivos salienta-se a promoção da autonomia e funcionalidade, para permitir uma vida com qualidade do ponto de vista familiar, académico e social.

António Orlando

Next Post

"Horário de inverno" chega na madrugada deste domingo

Sáb Out 28 , 2023
Share on Facebook Tweet it Pin […]
Instagram did not return a 200.

Sobre Nós

Tamega.TV

O Tâmega.tv é uma publicação online diária de informação geral que pretende dar, através dos meios de difusão multimédia, uma ampla cobertura dos mais relevantes e significativos acontecimentos da região do Baixo Tâmega, em todos os domínios de interesse, sem descurar o panorama regional e nacional, assegurando a todos o direito à informação.